Pesquize em toda a Web

BH tem alta de imóveis para alugar, mas preços acompanham a inflação

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Oferta de imóveis residenciais e comerciais tem o maior crescimento semestral em 10 anos, mas valores seguem acompanhando de perto o índice que mede avanço geral dos preços


Publicação: 12/07/2013 06:00 Atualização: 12/07/2013 07:15

A estudante Natália Zuca, que vai se mudar para São Paulo, anunciou seu apartamento no São Pedro depois de pesquisar preços no mercado (MARCOS VIEIRA/EM/D.A PRESS)
A estudante Natália Zuca, que vai se mudar para São Paulo, anunciou seu apartamento no São Pedro depois de pesquisar preços no mercado
Pela cidade, anúncios de aluguel para casas, apartamentos e pontos comerciais chegam a disputar espaço em ruas estreitas e em uma mesma avenida, dando os primeiros sinais de mudanças no setor imobiliário. Depois do boom da demanda, que, nos últimos cinco anos, elevou o custo da locação a patamares bem acima da inflação, a oferta voltou a crescer no primeiro semestre, promovendo uma estabilização dos preços. Juntos, a avalanche de imóveis novos que chegaram ao mercado no último ano, o crédito para aquisição da casa própria e o avanço da renda da população estão empurrando a oferta.

De janeiro a junho, os anúncios para imóveis residenciais cresceram 31,2%. Para os pontos comerciais a alta foi de 26,4%. Esses são os maiores patamares para um semestre observado nos últimos 10 anos, segundo pesquisa da Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI/Secovi-MG), em parceria com a Fundação Ipead/UFMG. Para se ter ideia, no mesmo período do ano passado a oferta de imóveis residenciais fechou o semestre com recuo de 4,78%. No comércio o percentual era ainda mais baixo. De janeiro a junho do ano passado fechou em -7,32%. 

A ampliação de vagas livres dos anúncios ainda não aliviou o bolso do consumidor. De janeiro a junho, os preços dos imóveis residenciais praticamente acompanharam a inflação, avançaram 3,27% frente a uma alta do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 3,76%. Os preços dos imóveis comerciais, apesar da explosão da oferta, permanecem acima do custo de vida e acumularam alta de 4,35% em seis meses. Em junho, os aluguéis residenciais tiveram alta de 0,60% frente a uma inflação de 0,26% e os comerciais tiveram no mês alta mais forte, de 0,62%.

Fernando Junior, vice-presidente da CMI, diz que as obras iniciadas na cidade entre 2009 e 2010 começaram a ser entregues no último ano pelas construtoras e, até a Copa do Mundo de 2014, mais imóveis novos devem entrar no mercado, concluindo os investimentos do setor para o evento. Do outro lado, à medida que mais brasileiros mudam de endereço para a casa própria, mais vagas tendem a ser abertas no aluguel. “Os preços dos imóveis, a partir de agora, devem seguir trajetória de estabilização, mas não há espaço para recuos, uma vez que a demanda continua maior que a oferta”, avalia Junior. Segundo ele, o crescimento da captação por parte das imobiliárias também contribuiu para alavancar a oferta no mercado. 
O aumento na oferta de imóveis comerciais chamou atenção especial em junho. Enquanto o setor residencial apresentou leve crescimento, de 1,5%, os anúncios de pontos comerciais cresceram 26,71%, a maior alta da década, segundo a pesquisa realizada pela Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (Creci/Secovi-MG) e pela Fundação Ipead/UFMG. Para especialistas do segmento, o resultado acende o sinal amarelo para a economia, já que indica uma desaceleração, especialmente do comércio e serviços.

Além dos imóveis novos, que contribuem para o crescimento das vagas abertas para o aluguel, o indicador mais preocupante é o esfriamento mais generalizado. “Essa alta observada em junho na oferta dos imóveis residenciais é muito expressiva. É um alerta”, aponta Fernando Junior, vice-presidente do Creci-MG. 

Obras


Cláudia Volpine, presidente do Conselho de Comércio e Serviço da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais (AC-Minas) diz que uma combinação de fatores justificam a alta da oferta de pontos comerciais. Segundo ela, além do crescimento mais fraco da economia, as obras civis iniciadas na cidade para os grandes eventos esportivos tiveram o cronograma ampliado além da previsão inicial, o que levou muitos pontos comerciais, especialmente na Região Centro-Sul ao desequilíbrio financeiro. “Somado a isso, após obras de revitalização, muitos aluguéis dobraram de preço, sem a contrapartida do faturamento, o que ampliou os prejuízos”, diz Volpine. “Muitos enfrentam ações de despejo”, afirma. 

Gabriel de Andrade Ivo, economista da Federação do Comércio de Minas Gerais (Fecomércio-MG), aponta que o crescimento do comércio e serviços em 2013, na expectativa da instituição, deve ser pouco superior ao Produto Interno Bruto (PIB) do país, variando entre 2,5% e 3%.

Tempo de espera é baixo

Dados do mercado já apontam para melhores condições de preços ao inquilino. O tempo para alugar um imóvel entre dois e três quartos na Região Centro-Sul por exemplo, ou próximo a faculdades, continua curto, de aproximadamente dois meses. No entanto, para garantir negócio rápido, muitos estão tendo que adequar os preços a patamares mais baixos. “Há dois anos, o mercado experimentou uma grande euforia, agora os preços tendem a se estabilizar”, diz Paulo Tavares, presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-MG). Segundo ele, em 2011, Belo Horizonte experimentava uma oferta de imóveis 60% inferior à demanda. Hoje, essa distância ficou menor e o patamar já se aproxima do equilíbrio. 

A estudante Natália Zuca está de mudança para São Paulo e anunciou para aluguel seu apartamento de três quartos no Bairro São Pedro. Ontem, ela se preparava para fechar o negócio. Para conseguir alugar o apartamento mais rápido, ela fez uma pesquisa de preços e decidiu alugar por valor abaixo da média do mercado. “Poderia alugar por até R$ 2,1 mil, mas decidi anunciá-lo por R$ 1,7 mil”, comentou. Segundo Paulo Tavares, ajustar o preço do imóvel à realidade do mercado acelera a locação. 

Além do aquecimento da construção civil, motor do mercado de trabalho e da economia, a ampliação do crédito imobiliário é apontado como motivo do início de uma volta para o eixo dos aluguéis. Segundo Tavares a ampliação do prazo para o financiamento imobiliário também foi decisivo para equilibrar o mercado. “Nos últimos sete meses, o prazo máximo para financiamento foi ampliado de 30 para 35 anos.” (MC) (Econimia/EstaMinas)

0 comentários:

Postar um comentário

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP