Pesquize em toda a Web

Preço de casa de alto padrão despenca em Sao Paulo

terça-feira, 13 de dezembro de 2011


Medo da violência incentiva venda de imóveis de luxo em bairros nobres da capital paulista e ocasiona aumento da oferta no mercado



Casas relativamente novas de alto padrão em bairros nobres da capital estão perdendo valor. A última pesquisa mensal do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (Creci-SP), referente a setembro, mostra que o metro quadrado das casas de luxo com até sete anos vendidas na zona A - que, segundo a instituição, compreende 20 distritos nobres, incluindo Vila Nova Conceição, Morumbi, Alto de Pinheiros e Jardim Anália Franco - custa aproximadamente um quarto do que um ano antes. De setembro de 2010 ao mesmo mês de 2011, o metro quadrado passou de R$ 9.642 para R$ 2.640.

"Na medida em que o interesse de compra diminui, o preço é o instrumento que se usa no mercado", diz o presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto.

No Morumbi, de acordo com o corretor de imóveis Roberto Simonsen, da imobiliária Maber, o metro quadrado de uma casa chega a R$ 2,5 mil, bem menos do que os cerca R$ 4,5 mil cobrados em condomínios verticais ou horizontais da região. "Há um problema de liquidez. Em vez de vender em um prazo médio de seis meses, pode demorar de três a cinco anos", conta. Somente num trecho da RuaAdalivia de Toledo, no Real Parque, pelo menos seis imóveis estão disponíveis para venda.

Para a diretora comercial da imobiliária Lello, Roseli Hernandes, a violência explica a fuga dos moradores. "No Morumbi, as casas de alto padrão estão vivendo um drama. As pessoas não se sentem seguras e saem." Neste ano, os roubos à residência tornaram-se problema frequente no bairro.

A delegada titular do Creci-SP no distrito da zona sul, Shirley Toledo de Oliveira Kanazawa, acredita que a desvalorização dos imóveis e o aumento da oferta para venda sejam provocados por diversos fatores e agravados pela onda de crimes. 

"São casas com mais de 30 anos e pessoas que, com a idade, passaram a ganhar menos. Também há a dificuldade se obter funcionários para a manutenção dos imóveis", explica.

Mais seguro. 

A queda de preços verificada no Morumbi não se repete, entretanto, em todas as regiões - mesmo as próximas. De acordo com Shirley, áreas como Jardim Guedala e Vitória Régia ainda atraem a classe A. "E tenho imóveis no Jardim Europa que custam R$ 10 mil por m²."

Em Perdizes, a procura é por casas de vilas, segundo o corretor Hermenegildo Vicente, há 15 anos no mercado. 

"Com os preços exorbitantes, está difícil. Uma pessoa não consegue um imóvel desses por menos de R$ 800 mil." O valor, de acordo com ele, é maior no Pacaembu, onde o metro quadrado custa em média R$ 5 mil.

Segundo o diretor local da Brasil Brokers, Marcelo Senna, os destinos de ex-moradores das casas são os empreendimentos verticais, menores e com reforço na segurança. "A migração é para apartamentos ou para casas em condomínios fechados", diz (leia mais sobre lançamentos horizontais abaixo).

Viana Neto acredita que os problemas de liquidez e evasão sejam passageiros: "Quando começa a haver ocorrência de assaltos, há dificuldade para a comercialização na região, mas não é irrevogável". Sanados os problemas, o mercado consegue se recuperar, segundo ele: "Em seis meses, tudo volta ao normal".

Para Roseli Hernandes, apenas um boato é capaz de interferir na procura de imóveis, e o problema da violência atinge todas as regiões da cidade. Se a intenção é a de evitar erros na aquisição de um imóvel, ela recomenda pesquisa: "Procure uma imobiliária local e se informe", diz. (Estadao-Economia-SeuImovel)

0 comentários:

Postar um comentário

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP