Pesquize em toda a Web

Casa Propria - Feirão em BH terá 10 mil imóveis a menos do que no ano passado

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Preço médio das unidades ofertadas estão entre 40% e 55% mais altos


Procura. Feirão da casa Própria atrai ao Expominas, todos os anos, milhares de pessoas interessadas em comprar o seu imóvel


O Feirão da Casa Própria começa no próximo dia 20, no Expominas, com um número de imóveis 38% menor do que o disponibilizado no ano passado: passou de 26.205 unidades para 16.267. O foco são os novos. Enquanto o volume de unidades usadas exposto despencou 94%, de 15.760 para apenas 862 imóveis, a quantidade de novos e na planta subiu 50%, saltando de 10.445 no evento de 2010, para 15.638 neste ano.

O superintendente regional da Caixa Econômica, Rômulo Martins, garante que a redução das unidades ofertadas não tem a ver com baixo estoque, mas sim com a mudança de foco. "Neste ano vamos focar mais o Minha Casa, Minha Vida, e o programa só trabalha com novos, até mesmo porque o objetivo do governo e da Caixa é aquecer toda a cadeia da construção, e são os novos que geram emprego", destaca Martins.

A mudança do foco, acompanhada da valorização imobiliária, fez o preço médio das unidades do feirão subir entre 40% e 55%. Segundo Martins, o preço médio será de R$ 140 mil. A Caixa não soube precisar qual foi o valor médio do feirão de Belo Horizonte no ano passado, mas, para se ter uma ideia, a média dos valores dos eventos de todo o Brasil em 2010 foi de R$ 90 mil a R$ 100 mil. "O preço médio neste ano será maior porque, além da valorização, no ano passado o volume de usados era muito alto, o que deixou o valor mais baixo", justifica Martins.

No feirão que começa dia 20, os visitantes encontrarão imóveis de R$ 75 mil a R$ 900 mil. Serão 39 construtoras e 15 imobiliárias. A expectativa é que passem 57 mil pessoas nos três dias de evento. "A grande vantagem é que o visitante chega, faz uma simulação em um estande da Caixa ou da construtora ou imobiliária, e aí já faz a sua pesquisa sabendo o valor do imóvel que ele pode pagar", afirma Martins.

A vantagem do evento, que acontecerá pelo sétimo ano, é reunir em um único lugar todos os agentes envolvidos da venda da casa própria. "Em um único local, o comprador visita várias possibilidades, imagina o tempo que perderia indo em várias construtoras pessoalmente", diz Martind, lembrando que a pessoa já pode sair com a carta de crédito da Caixa nas mãos.

Os documentos necessários para fazer a simulação do financiamento são carteira de identidade, CPF e os três últimos contracheques. Se a pessoa for autônoma, com renda informal, precisa levar os seis últimos extratos bancários para comprovar a renda.




Rômulo Martins, da CEF, afirma que foco deste feirão são os novos


Sete a cada dez unidades ofertadas estão fora da capital

De acordo com o gerente de habitação da Caixa Econômica, Marivaldo Araújo, dos 16.267 imóveis disponíveis para venda no 7º Feirão da Casa Própria, 70% estão na região metropolitana de Belo Horizonte e somente 30% estão localizados na capital. "Isso pode ser explicado pela falta de terrenos para novos empreendimentos em Belo Horizonte, o que faz com que a tendência seja as construtoras investirem em municípios próximos", ressalta Araújo, citando Betim como uma das cidades com maior oferta.

No ano passado, 4.490 negócios foram fechados a partir do feirão. O montante de negócios movimentado foi de R$ 87,9 bilhões. "Superar essa marca será difícil, pois o ano passado foi muito bom, mas esperamos pelo menos repetir o resultado", destaca o superintendente regional da Caixa, Rômulo Martins. (QA)

0 comentários:

Postar um comentário

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP