Pesquize em toda a Web

Comprar ou alugar.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Diante das altas prestações dos financiamentos para a aquisição da casa própria é preciso pensar bem antes de decidir pelo fechamento do negócio

De acordo com Instituto de Pesquisa Aplicada (Ipea), os brasileiros que pagam aluguel comprometem suas finanças em quase o dobro do que aqueles que financiam imóveis. Apesar do levantamento, não é bem isso que se vê, pelo menos na capital mineira. É preciso considerar algumas variáveis antes de entrar em um financiamento para não comprometer a renda familiar além de suas possibilidades.

Segundo levantamentos da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis (Ipead/UFMG), o aluguel de um apartamento de padrão médio está em torno de R$ 735. Para aquisição, imóvel semelhante custa, no mínimo, R$ 236 mil.

Para financiar esse valor em 30 anos, conforme simulação realizada pelo Sistema de Amortização Constante (SAC), uma família que tenha renda mensal de R$ 4.500, e tenha R$ 50 mil para dar de entrada, começará pagando prestação de R$ 1.374,93, considerando que o participante mais velho tenha 40 anos.

No entanto, de acordo com a pesquisa do Ipea, é mais barato financiar um imóvel do que pagar aluguel. Isso porque, pelo estudo, 12% da renda familiar é destinada para o aluguel e 7% vai para a casa própria. Em favor da aquisição, o estudo também aponta que o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) oferece proteção maior contra a especulação imobiliária, enquanto os aluguéis são revistos pelo valor do mercado a cada 30 meses.

A explicação dada pelo presidente da Associação Brasileira de Mutuários da Habitação (ABMH), Lúcio Delfino, para essa distorção é que o estudo feito pelo Ipea se aplica a contratos de financiamento mais antigos, firmados antes da valorização imobiliária que ocorreu em todo o país. Quem vai adquirir um imóvel hoje, principalmente se o valor está bem acima de R$ 130 mil, provavelmente terá uma prestação que chega ao dobro do valor do aluguel, dependendo do valor do percentual financiado e do prazo de financiamento.%u201D

Apesar disso, o advogado da ABMH, Leandro Pacífico, fala que a pesquisa é importante por tratar a questão como de fato deve ser analisada, ou seja, do ponto de vista financeiro. Ele reconhece que, popularmente, as pessoas são contrárias ao aluguel por achar que é um desperdício de dinheiro. %u201CEntretanto, tudo deve ser analisado de forma matemática. Da mesma forma que o aluguel é um dinheiro jogado fora, o pagamento de juros também o é, alerta.

A consultora de investimento Renata Ribeiro Paculdino Ferreira considerou todos os cenários que envolvem a compra e o aluguel de um imóvel. E justifica sua opção pelo aluguel. Primeiro, porque não tenho dinheiro para comprar à vista. A segunda coisa é que tenho dinheiro aplicado no banco e, com a rentabilidade, posso pagar o aluguel, que ainda tem um valor bem barato. Com isso, meu dinheiro não fica imobilizado, justifica.

Há sete anos morando de aluguel, a consultora ainda vê outro benefício na opção que fez. Se me cansar de morar em algum lugar, posso me mudar. Não preciso ficar presa a nenhum imóvel.

Investimento Planejado
Para saber se está dando o passo certo, o ideal é que se faça uma estimativa do que pagaria de aluguel e juros, no caso de financiamento, no longo prazo

A melhor saída para quem tem aversão ao aluguel é ter um planejamento financeiro, e não simplesmente contrair uma dívida sem analisar o que vale mais a pena, conforme pontua o advogado da Associação Brasileira de Mutuários da Habitação (ABMH), Leandro Pacífico. E, nessa decisão, tem de ser levada em consideração a correção monetária, que, no caso do financiamento, é mensal – mesmo no caso de prestações decrescentes – enquanto no aluguel, ela ocorre anualmente.
O advogado ensina que o consumidor deve analisar o montante que será pago de juros no contrato, comparado ao que pagaria de aluguel. “Logo, se minha taxa é de 8% ao ano, o que irá ‘para o lixo’ é o equivalente a 0,66% do valor do imóvel, caso tenha sido financiado o valor integral”, esclarece.

Entretanto, é bom lembrar que o valor que se paga de juros cairá mês a mês, já que eles são calculados mensalmente, e também haverá um decréscimo no saldo devedor, já que a prestação é composta por parte de juros e parte de amortização. “Assim, é melhor que a pessoa consulte especialistas para saber se é realmente um bom negócio fazer o financiamento integral do imóvel. É importante fazer uma estimativa do que pagaria de aluguel e juros no longo prazo”, aconselha Leandro.

Segundo o coordenador do MBA em gestão de negócios imobiliários e da construção civil da Fundação Getúlio Vargas e IBS Business School Pedro Seixas, em princípio, a sensação ao pagar o aluguel é a de que há um desperdício de dinheiro, o qual o inquilino não terá de volta. “Por outro lado, quando pagamos a parcela do financiamento, temos a sensação de estar fazendo uma ‘poupança’ ou pagando parte de um bem que será nosso.”

Mas a conta não é tão simples assim, como fala o professor. Ao pesquisar as opções de financiamento, é preciso que o comprador analise alguns fatores. Entre eles, Pedro destaca o valor do sinal, a taxa de financiamento e o número de parcelas. “Essas variáveis têm um impacto muito grande na decisão e definem o que é mais vantajoso: comprar financiado ou alugar”, ressalta.

VARIAÇÕES 
Como exemplo dessa equação, o professor faz um cálculo de um imóvel avaliado em R$ 200 mil, que terá 70% do seu valor financiado e 30% – R$ 60 mil – pagos à vista. “Considerando uma hipotética taxa de financiamento de 15% ao ano e o prazo de pagamento de 20 anos (240 parcelas mensais), o valor da parcela será de, aproximadamente, R$ 1.750.” Já no caso do aluguel, as variações ocorrem de acordo com o mercado. Mesmo assim, Fábio Seixas estima que, em geral, pode-se adotar como referência algo em torno de 0,5% do valor do imóvel. “Ou seja, para o mesmo imóvel de R$ 200 mil, deve-se ter um aluguel em torno de R$ 1.000”, calcula.(EstadodeMinas/uai)

1 comentários:

Fabio Santos 13 de abril de 2011 15:29  

Bom estou querendo compra apartamento em sp acho que hoje em dia tá valendo mais a pena do que alugar..

gostei do blog são ótimas as informações.

Abraço

http://www.quebarato.com.br/imoveis.html

Postar um comentário

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP