Pesquize em toda a Web

bh: Nova Lei faz poeira da expansão imobiliária baixar

sexta-feira, 27 de agosto de 2010



Euler Júnior/EM/D.A Press
Na rua Felipe dos Santos, em Lourdes, edíficio está sendo negociado
A nova Lei de Parcelamento, Ocupação e Uso do Solo (Lei 7.166/1996) fez com que a poeira da demolição dos pequenos prédios baixasse, pelo menos por enquanto. O proprietário da Construtora Garcia, João Henrique Garcia, explica que o potencial construtivo diminuiu 30% em uma mesma área. Com isso, explica, o construtor, não se torna tão vantajoso pagar o preço pedido – e supervalorizado – dos terrenos na Região Centro-Sul. Garcia cita o exemplo de um prédio na esquina das Ruas Cláudio Manoel e Pernambuco, na Savassi. “Estávamos negociando lá e o pessoal estava doido para vender. Mas um morador não quis, pois achava que o valor é maior. Com a nova lei, nós perdemos o interesse no negócio”, afirma o empresário.

Para Jânio Valeriano Alves, do Grupo Maio-Paranasa, o movimento só se mantém vantajoso se o terreno almejado for usado para composição de uma área maior, que justifique o investimento. “Quando for uma situação semelhante à nossa, em que a área do prédio melhorou a geometria do terreno, é interessante, desde que, por um preço razoável, pois o metro quadrado vale pelo que ele pode produzir. É isso que interessa", avalia.

Pelo menos até 21 de setembro, quando se encerra o prazo solicitado pela Prefeitura de Belo Horizonte para se adequar às novas regras do setor, o mercado de terrenos na capital ficará paralisado. “De acordo com o potencial construtivo do terreno, não vai compensar para a construtora pagar o valor solicitado. A tendência que existia de venda desses imóveis pequenos foi interrompida, por enquanto", pondera Bráulio Franco Garcia, diretor da área imobiliária do Sinduscon-MG.(lUGARCERTO-uAI)

0 comentários:

Postar um comentário

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP