Pesquize em toda a Web

Sexta edição do Feirão Caixa da Casa Própria começa no dia 13 de maio em São Paulo

segunda-feira, 29 de março de 2010

SÃO PAULO - O 6º Feirão Caixa da Casa Própria será realizado entre os dias 13 e 16 de maio, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo.

Nos dois primeiros dias, o evento funcionará das 10h às 21h. Já no dia 15 e 16, abrirá às 9h e fechará às 20h.

As datas foram apresentadas ao setor habitacional, na quarta-feira (24), em palestra no Secovi-SP (Sindicato da Habitação). A reunião foi promovida para a apresentação do Feirão aos empresários da construção civil.

2009
No ano passado, mais de R$ 1,59 bilhão foram movimentados na quinta edição do Feirão da Caixa Econômica Federal em São Paulo.

Entre os dias 21 e 24 de maio de 2009, mais de 121 mil pessoas foram conferir os 110 mil imóveis oferecidos no evento. No total, foram oferecidos 42.566 imóveis novos e outros 67,4 mil usados.

Orçamento
Para quem pretende aproveitar o feirão para comprar a casa própria, é importante atentar a alguns itens, a fim de não tomar uma decisão precipitada e comprometer o orçamento familiar:

Preço: uma fase essencial para a compra da casa própria é a que envolve pesquisa de preços. Depois de ter ideia do local ou mesmo do prédio no qual gostaria de morar, procure avaliar outros imóveis à venda no mesmo prédio ou conjunto, com as mesmas características do qual pretende comprar, a fim de saber o valor de mercado. Também vale consultar o preço médio do metro quadrado da região junto a imobiliárias e corretores, assim será possível estabelecer um valor máximo para a compra do imóvel

Taxas de juros: também vale a pena fazer uma pesquisa de taxas de juros, já que grande parte dos bancos do país faz financiamentos para habitação. As taxas variam conforme a renda, o valor do imóvel e o do financiamento. Uma boa dica é fazer simulações, para encontrar o melhor negócio para o seu perfil. As instituições costumam disponibilizar simuladores em suas páginas na internet

CET: nem sempre a menor taxa de juros representa o melhor negócio. É o CET (Custo Efetivo Total) do financiamento, que nada mais é do que um percentual que mostra o valor total da operação, incluindo todas as taxas administrativas e tributos cobrados pelo banco, que vai apontar se o financiamento escolhido será um bom ou mau negócio

Pendências: procure se certificar de que a propriedade não possui dívidas pendentes, como condomínio, IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), entre outras. Tais débitos são de responsabilidade do antigo dono e devem ser quitados pelo banco ou pelo vendedor do imóvel. Caso contrário, o comprador corre o risco de adquirir um imóvel que está sendo usado como garantia da dívida e pode sofrer execução. É importante que tal fato conste em contrato, assim como a possibilidade de o consumidor reter os pagamentos ao vendedor enquanto houver pendências

Fique de olho
Por fim, para não gastar mais desnecessariamente, fique de olho na intervenção do despachante imobiliário, pois, muitas vezes, as despesas deste profissional estão incluídas nos contratos de vendas. Saiba que ela não é obrigatória. Se você mesmo fizer todos os procedimentos burocráticos - o que pode tomar certo tempo -, pode haver uma economia de R$ 500 a R$ 1 mil.

Além disso, é importante considerar os gastos com escritura e ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis) para registrar a transação em cartório, que podem chegar a 3% do valor de mercado atual do imóvel e devem ser pagos à vista. Por isso, é bom ter uma reserva em dinheiro e boa compra.(Infomoney)

0 comentários:

Postar um comentário

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP